terça-feira, 20 de julho de 2010

Amigo Fiel: Bálsamo de Vida

                                  
Hoje, 20 de julho, é o Dia do Amigo e gostaria de compartilhar com vocês uma linda reportagem que está na revista da Canção Nova do mês de julho, que fala exatamente sobre a amizade que vem de Deus.

O que é amizade? O que significa ter um amigo? Muitas vezes, essas perguntas já vieram aos nossos corações e aos corações de tantos homens e mulheres na história. São questionamentos que sempre inquietaram a humanidade, ansiosa por obter definições para essa experiência tão fundamental na vida de todo homem. A amizade também é tema recorrente em muitos versículos da Palavra de Deus, a qual, muito mais do que apresentar respostas humanas, quer revelar os segredos mais íntimos do coração do Senhor quanto à experiência de se ter um amigo.

“Amigo fiel é bálsamo de vida; os que temem o Senhor vão encontrá-lo” (Eclo 6,16).

Esta é uma das muitas imagens apresentadas pela Bíblia para um amigo: bálsamo de vida. Mas o que é isso? Trata-se de uma resina aromática utilizada como perfume e também como remédio para ferimentos. Antigamente, era artigo raro e caro, chegando a valer duas vezes seu peso em ouro. Diante dessas características, quando o autor sagrado se refere a um amigo como “bálsamo de vida” ele está afirmando que uma amizade tem a capacidade de perfumar e curar a vida daqueles se permitem vivê-la.

Um amigo fiel traz em si o suave aroma do amor, capaz de transformar qualquer ambiente e situação hostil em lugar de tranquilidade. Quem já fez a experiência de ter um amigo ao seu lado em momentos de sofrimento sabe que, somente por aquela pessoa estar ali, o nosso coração se enche de segurança.

O amor que há em uma amizade verdadeira é sempre uma manifestação limitada, mas, ao mesmo tempo, concreta do Amor do Senhor por nós. Amor que sofre junto com o outro, que se faz presente, que se compadece dele e o fortalece. Diante da dor daquele a quem amamos, um amigo é como uma folha de eucalipto amassada nas mãos: exala e impregna o ar com um cheiro inconfundível, capaz de permanecer por muito tempo e atingir a todos os que estão à sua volta.

Vivemos em um mundo de pessoas feridas e machucadas por incontáveis decepções, as quais cada vez mais as lançam na solidão de suas dores. Bálsamo também é remédio; um amigo é fonte de cura. Uma amizade, quando é vivida de forma sadia, não somente é capaz de curar as feridas do nosso coração como também de nos lançar para os outros, fazendo-nos ir além de nossas chagas e não nos deixando parar em nossas dores.

Infelizmente, muitos não experimentam o poder curativo de uma amizade, pois – assim como a criança faz com o remédio lançado sobre o machucado – não aguentam o incômodo inicial que o amor puro de um amigo pode causar sobre as feridas de seu coração e preferem fugir. Por covardia descartam logo o “curativo” que Deus enviou, esquecendo-se da sabedoria de nossas mães que sempre afirmaram: “O que arde cura”. Quem não enfrenta o “arder” do amor no coração, nunca poderá ver as suas feridas saradas.

Como o bálsamo, um amigo de verdade é artigo raro e muito caro. Não é encontrado em qualquer esquina nem deve ser procurado em qualquer lugar. Amizade é iniciativa de Deus, por isso, deve ser recebida como dom de amor, como presente inesperado, mas sempre desejado. Por esse motivo só quem teme o Senhor, só quem experimentou e é experimentado no Seu Amor é capaz de encontrar um amigo fiel. Só quem conhece a verdadeira essência de um perfume é capaz de perceber seu rastro nas formas mais sutis.

Jesus teve amigos que foram bálsamos de vida. Amigos que transformaram o perfume de seu amor em unção, preparando-O para o Seu supremo momento de dor (cf. Jo 12,3). Amigos que foram, com a sua presença, cura para o Seu coração dilacerado pelo abandono na cruz (cf. Jo 19,25-26). Amigos que Lhe custaram Seu maior e mais caro ato de amor: dar a própria vida (cf. Jo 15,13).

O maior desejo de alguém que ama é ter o seu amor reconhecido pela pessoa amada. Por essa razão, não sejamos ingratos a ponto de, ao receber um presente, esquecer-nos de quem nos presenteou. Deus nos dá amigos para que estes possam nos revelar o quanto Ele nos ama. Ato de amor concreto para com o Senhor é não nos esquecermos disso e ter um coração profundamente grato Àquele que é fonte e origem de todo amor.

Que ao deparar com essas palavras seu coração se encha de alegria por ver que elas traduziram experiências da sua vida. Que sejam receitas simples para as chagas que permanecem abertas em sua alma. Que essas palavras exalem um perfume antes esquecido, e, ao alcançarem seus sentidos, devolvam-lhe o desejo e a esperança de encontrar um amigo de verdade.

Que Deus lhe dê a graça de ter um amigo capaz de, com sua simples presença, devolver o perfume à sua vida e de curar as feridas do seu coração.


Renan Félix
Fonte: Revista Canção Nova



Amém!

Fernanda Rocha

Nenhum comentário: